Perguntas frequentes

O que é Paywall?

Paywall é um sistema de assinatura usado por jornais e outros veículos de comunicação digital que restringe o acesso aos não assinantes. É uma maneira desses veículos aumentarem suas receitas, seguindo uma tendência internacional que criou a medida depois da diminuição das tiragens impressas.

Se o veículo deseja lucrar mais com a paywall existem alguns ônus, entre eles a perda de classificação no Google. Isso ocorre porque muitos textos deixam de ser indexados, já que requerem uma assinatura para serem lidos (e os robôs do Google não são assinantes).

Um mecanismo de bloqueio comumente empregado pelas publicações adeptas ao "paywall poroso" é ocultar o texto somente após o carregamento da página com JavaScript. Isso permite que os textos sejam indexados pelos mecanismos de busca, mas um usuário com JS habilitado pode ser impedido de ler o texto. Esse truque pode ser considerado cloaking (e é uma violação das diretrizes do Google), mas essa discussão está ocorrendo através de outras formas, através do programa First Click Free e do rótulo "(Assinatura)".

Jornais como O Popular usam um bloqueio mais simples e efetivo: notícias restritas a assinantes são, de fato, restritas a assinantes. Elas não são indexadas pelo Google; a notícia só é carregada se um usuário assinante estiver logado. Obviamente, essa extensão não funciona com esse tipo de bloqueio.

Como o Burlesco burla o paywall?

Após servir a página com o conteúdo, os sites de notícia incluem um JavaScript responsável por ocultar o texto.

O Burlesco instrui o navegador a ignorar esses scripts, enquanto todos os outros scripts que controlam menus, infográficos e comentários continuam funcionando perfeitamente.

O conteúdo na verdade já é disponibilizado pelos próprios sites de notícia. Essa extensão apenas garante que os textos sejam exibidos de maneira legível. A única diferença é que, de forma conveniente, a extensão permite que o usuário leia o conteúdo diretamente em um navegador, ainda que esteja com o JavaScript habilitado.

Trata-se apenas de apenas uma conveniência para que o usuário determinado a ler uma notícia bloqueada não tenha que ficar alterando as configurações do navegador, usando o modo de navegação anônima ou apps de leitura offline.

Burlar esse bloqueio não é ilegal ou imoral?

São as próprias empresas que estão servindo os dados, e elas não podem ditar como os navegadores devem apresentá-los. Escolher como um conteúdo deve ser apresentado em nossos computadores é uma garantia e uma premissa da web aberta. Se algum desses jornais estiver insatisfeito com a situação, eles são os únicos capazes de realizar o bloqueio efetivo. Talvez eles não o façam porque querem ter o benefício tanto de quem provê conteúdo pago (dinheiro das assinaturas) quanto de quem provê conteúdo gratuito (dinheiro dos anúncios e maior presença na internet).

Como disse a própria Ombudsman da Folha em 2012, quando o paywall foi implementado: Não é difícil imaginar formas de burlar o “paywall”. Mesmo sabendo que é facilmente burlável, a Folha continua usando tal mecanismo há cinco anos.

A Folha e os outros jornais podem estar sendo bonzinhos ou também podem estar lucrando, pelo menos um pouco, com os não pagantes através dos anúncios (a menos que você também use um bloqueador de anúncios). Por isso, usar o Burlesco com adblockers é fortemente desencorajado. O financiamento dos jornais precisa vir de algum lugar.

Vocês podem adicionar o site X?

Não estou mais adicionando novos sites.

Se você for desenvolvedor e quiser contribuir, pull requests são muito bem vindos.


Voltar para página inicial